se Brz EMR - Reefer Container Brasil: Pensar fora da caixa ajudou a trazer a globalização
back to top

Pensar fora da caixa ajudou a trazer a globalização

Quase seis décadas atrás, Keith Tantlinger construiu uma caixa - ou, mais precisamente, os corners de uma caixa. Foi uma invenção aparentemente pequena, mas vital: desencadeou uma cadeia de eventos que mudou a maneira como as pessoas compram e vendem coisas, transformaram os meios pelos quais as nações fazem negócios e, finalmente, deram origem à economia global atual.
Tantlinger's box- grande, pesada e metálica - é conhecida como shipping contêiner. Embora ele não o tenha inventado (tais contêineres estavam em uso pelo menos desde o século 19 para transportar cargas pesadas como carvão), ele é amplamente creditado por ter criado, na década de 1950, o primeiro moderno comercialmente viável.
Os refinamentos cruciais que ele fez - incluindo um mecanismo de corner que trava os contêineres - permitiram que fossem levantados por guindaste, empilhados em navios e transferidos do navio para caminhões e trens com muito mais facilidade e baixo custo do que nunca.



Continua após anúncio

Fim do anúncio

Assim, sem pretender, Tantlinger ajudou a criar a vasta rede de comércio internacional que é um fato da vida do século XXI. Mais do que qualquer outra inovação, o shipping container moderno - por turnos venerado e castigado - agora é reconhecido como a centelha que provocou a globalização.

O trabalho de Tantlinger está em toda parte. Graças aos mecanismos de empilhamento e travamento que ele criou, um navio agora pode transportar milhares de contêineres de uma só vez. Hoje, dezenas de milhões de contêineres percorrem o mundo, cheios de madeira, carvão e feno, sem mencionar computadores e carros. Os contêineres refrigerados transportam frutos do mar, carne e outros produtos perecíveis por distâncias inimagináveis.
Até meados da década de 1950, no entanto, o transporte de carga por via marítima havia mudado pouco desde o dia em que o homem amarrou uma jangada, estocou-a com mercadorias comerciais e partiu para margens distantes. Durante séculos, nas margens do rio em todo o mundo, as mercadorias foram literalmente manuseadas - carregadas pelos trabalhadores das docas para os navios em sacos e engradados, barris e, no outro extremo, carregadas novamente. A containerização unificou o processo, permitindo que um único remetente movesse mercadorias por terra e mar.
Filho de um cultivador de citros, Keith Walton Tantlinger nasceu em Orange, Califórnia, em 22 de março de 1919. Tantlinger é bacharel em engenharia mecânica pela Universidade da Califórnia, Berkeley. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele trabalhou para a Douglas Aircraft Company, onde projetou ferramentas usadas para produzir o bombardeiro B-17.

Continua após anúncio

Fim do anúncio
Em meados da década de 1950, Tantlinger - então vice-presidente de engenharia da Brown Industries, fabricante de reboques de caminhões em Spokane, Washington - recebeu uma ligação da Pan-Atlantic Steamship Corporation. O proprietário da empresa, Malcolm McLean, queria criar uma maneira de empilhar reboques carregados, menos os caminhões, diretamente nos navios.
Intrigado com o desafio de transformar o sonho de McLean em realidade mecânica, Tantlinger ingressou na Pan-Atlantic. Um dos principais problemas que ele teria que resolver era criar um meio seguro de empilhar contêineres de várias camadas de altura.
Ele projetou um conjunto de acessórios de aço, que foram soldados em cada canto de um contêiner. Cada acessório continha um buraco no qual uma fechadura que ele projetou, chamada twist-lock, podia ser derrubada. Um segundo contêiner poderia então ser empilhado sobre o primeiro, uma alça girada e os dois travados juntos. O processo pode ser repetido, criando uma pilha alta.
No início dos anos 60, Tantlinger venceu a McLean por renunciar às patentes dos corner fittings e de twist-lock, permitindo que elas fossem usadas em todo o setor.
O jornal New York Times

Nenhum comentário :