se Brz EMR - Reefer Container Brasil: CSAV quer uma participação de 25 porcento em Hapag-Lloyd
back to top

CSAV quer uma participação de 25 porcento em Hapag-Lloyd

A companhia de transporte chilena Compañía Sudamericana de Vapores (CSAV) estabeleceu metas para aumentar sua participação na Hapag-Lloyd para pelo menos 25%.

A CSAV é um dos principais acionistas da Hapag-Lloyd e, com base nas informações de julho deste ano, possui participação de 22,6% na empresa.

Para comprar a participação adicional, a CSAV disse que lançaria um aumento de capital através da emissão de 6.1 bilhões de novas ações. A empresa espera aumentar USD 280 milhões para o efeito.

A CSAV está buscando a mudança, pois quer manter sua influência nas tomadas de decisão quanto aos assuntos fundamentais da Hapag-Lloyd, incluindo aumentos de capital, fusões e aquisições, que exigem uma aprovação de quorum de 75%.

O armador chileno acrescentou ainda que o aumento da participação foi acordado com os dois principais acionistas da Hapag a Kühne e a cidade de Hamburgo.

A oferta de ações será lançada em 10 de outubro, disse a empresa.

A estrutura acionária atual da Hapag-Lloyd's inclui CSAV (22,6%), Kühne (17,6%), Cidade de Hamburgo (14,9%), Qatar Investment Authority (14,4%) e Fundo de Investimento Público em nome do Reino da Arábia Saudita (10,1 %).

Além disso, há um fluxo livre de 20,4% de porcentagem e o free float inclui acionistas institucionais com participação de menos de 5%.


A transportadora alemã Hapag-Lloyd anunciou em setembro que pretende realizar um aumento de capital, acordado como parte de sua fusão com a United Arab Shipping Company (UASC), com o produto bruto esperado chegar a US $ 414 milhões.

O aumento de capital é respaldado pelos principais acionistas da empresa pelo montante total acima mencionado.

A Hapag disse que os principais acionistas se comprometeram a exercer seus direitos de subscrição e adquirir novas ações que não são adquiridas por outros acionistas.

A alemã planeja usar o aumento de capital para o pagamento da dívida.

Fonte:worldmaritimenews